Rumi – O destino do coração


Aprecie a poesia mística de Rumi na voz de Letícia Sabatella.

Versos para a alma.

Rumi - O destino do coração


Rumi – O destino do coração


Os olhos foram feitos para ver coisas insólitas,

fez-se a alma para gozar da alegria e do prazer.

O coração foi destinado a embriagar-se

na beleza do amigo ou na aflição da ausência.

A meta do amor é voar até o firmamento,

a do intelecto, desvendar as leis e o mundo.

Para além das causas estão os mistérios, as maravilhas.

Os olhos ficarão cegos

quando virem que todas as coisas

são apenas meios para o saber.

O amante, difamado neste mundo

por uma centena de acusações,

receberá, no momento da união,

cem títulos e nomes.

Peregrinar nas areias do deserto

nos exige suportar

beber leite de camelo,

ser pilhados por beduínos.

Apaixonado, o peregrino beija a Pedra Negra

ansioso por sentir mais uma vez

o toque dos lábios do amigo

e degustar como antes o seu beijo.

Ó alma, não cunhes moedas com o ouro das palavras:

o buscador é aquele que vai

à própria mina de ouro.