A religião no antigo Egito


A religião no antigo Egito é complexa mesclando monoteísmo e politeísmo, pois, ao mesmo tempo, propunha a crença em um deus maior, único e Criador; e também a configuração de vários panteões de deuses e deusas.

 

religiao-no-antigo-egito

 

Algumas evidências apontam que na quinta dinastia monoteísmo e politeísmo conviviam paralelamente.

O deus maior – o Criador – era Ausar e considerado o criador de toda a existência.

O enredo de Ausar é conhecido e recorrente em outras religiões e se estabelece como o ser divino que nasceu na Terra, teve uma morte terrível, renasceu e tornou-se transcendente.

A religião no antigo Egito, segundo Eleanor L. Harris, em sua obra: Magia e divinações do antigo Egito, sugere pontos vitais que sustentavam a sua filosofia:

  • A existência de um deus maior e Criador
  • Um grupo de deuses com características humanas e animais que possuíam emoções assemelhadas às emoções humanas
  • A constante batalha entre a ordem e o caos
  • Conceitos baseados em verdade divina, ordem e julgamento
  • A crença na ressurreição e na imortalidade

Sobre a constante batalha entre ordem e caos os egípcios acreditam que as forças primitivas do caos que marcaram o início de tudo eram uma ameaça permanente.

A criação se consumara no estabelecimento da ordem e a harmonia do universo se sustentando com a prática da Lei de Ma’at que estabelecia através da verdade divina a justiça e a ordem.

A deusa Ma’at, assim, governava o equilíbrio do universo e mantinha a ordem divina de tudo, bem como, os ciclos naturais do Sol, da Lua, das estrelas, das estações e até do próprio tempo.

Por fim, vale destacar que do período pré-dinástico até os posteriores as crenças religiosas no antigo Egito sofreram poucas alterações o que fez com que os egípcios fossem conservadores e fortemente ligados às tradições primitivas.

Mais do que modificadas, nas crenças dos antigos egípcios eram adicionadas novas ideias, mas mantinham o paradigma de que somente as deidades poderiam manter o equilíbrio de tudo diante da força ameaçadora do caos.